Com direitos, vivas e livres

375 Views

O Fórum Goiano de Mulheres e as Mulheres do Fórum Goiano em Defesa dos Direitos, da Democracia e da Soberania mobilizam movimentos sociais e organizações de defesa dos direitos da mulher para mais uma edição do 8 de Março (Dia Internacional da Mulher) em Goiânia. Com o tema COM DIREITOS, VIVAS E LIVRES, a manifestação pretende fortalecer a solidariedade entre as mulheres do campo e da cidade, chamar a atenção da sociedade para os crescentes índices de violência contra a mulher em Goiás e a necessidade de implementação de políticas públicas permanentes e eficazes de prevenção e combate.

Segundo levantamento da Secretaria Estadual de Segurança Pública, aumentaram os casos de violência doméstica: de 39.115 em 2022 para 44.187, no ano passado (2023). Os crimes mais praticados são: ameaça, lesão corporal e injúria. Esse aumento também foi registrado pela última
edição do Anuário Brasileiro de Segurança Pública. Os feminicídios cresceram 6,1% em 2022, resultando em 1.437 mulheres mortas simplesmente por serem mulheres no Brasil.

Entretanto, a manifestação desta sexta-feira não irá apenas protestar contra os números da violência. Também serão celebradas as conquistas das mulheres ao longo da história e feitas homenagens às líderes e ativistas que lutaram pelos direitos sociais, econômicos, trabalhistas e reprodutivos das
mulheres.

Mulheres do campo também virão de seus assentamentos e acampamentos da reforma agrária para reivindicar políticas públicas para a Agricultura Familiar ao mesmo tempo em que serão pedidas políticas para as mulheres da classe trabalhadora, que garantam o direito à moradia digna, ao
transporte público, saneamento e água potável para todas as famílias.

A concentração começa às 16 horas na Praça da Catedral Metropolitana de Goiânia, no centro da cidade, onde também serão realizadas performances artísticas e culturais. Em seguida, as mulheres seguirão em marcha pelas ruas de Goiânia até a sede da Delegacia Especializada de Atendimento à
Mulher (DEAM), na rua 24, no centro de Goiânia, para marcar a demora e o descaso na implementação do funcionamento da delegacia. Uma comissão de mulheres também entregarão, no Palácio das Esmeraldas, um documento contendo as principais reivindicações e propostas dos
movimentos sociais de mulheres para o governo estadual

Números da violência

Segundo o Anuário Brasileiro de Segurança Pública, além dos feminicídios, também cresceram os homicídios dolosos de mulheres (1,2% em relação ao ano anterior), o que impossibilita falar apenas em melhora da notificação como causa explicativa para o aumento da violência letal. Além dos crimes
contra a vida, as agressões em contexto de violência doméstica tiveram aumento de 2,9%, totalizando 245.713 casos; as ameaças cresceram 7,2%, resultando em 613.529 casos; e os acionamentos ao 190, número de emergência da Polícia Militar, chegaram a 899.485 ligações, o que significa uma média de 102 acionamentos por hora. Além disso, registros de assédio sexual cresceram 49,7% e totalizaram 6.114 casos em 2022 e importunação sexual teve crescimento de 37%, chegando ao patamar de 27.530 casos no último ano. Ou seja, estamos falando de um crescimento muito significativo e que perpassa todas as modalidades criminais, desde o assédio, até o estupro e os feminicídios em todos os estados brasileiros.

Serviço

8 DE MARÇO – COM DIREITOS, VIVAS E LIVRES
Data: 08 de março de 2024
Horário: Concentração às 16h
Local: Praça da Catedral, Setor Central em Goiânia

(Texto: Cláudia Nunes – assessora de Comunicação do evento)

Comentar