Pauta jurídica: sindicato promove palestra sobre revisão de aposentadoria

Visando trazer esclarecimentos para os/as jornalistas sobre o tema aposentadoria, o Sindjor Goiás promove palestra no dia 8 de fevereiro, com a advogada, Arlete Mesquita. O evento vai iniciar às 19h, no auditório do Sindjor, em Goiânia. As inscrições podem ser feitas pelo WhatsApp do sindicato (62) 9976-8289.

De acordo com Cláudio Curado, presidente do Sindjor, o sindicato vai promover palestras com pauta jurídica de interesse da categoria mensalmente. “Esta é a primeira palestra com pauta jurídica. As datas e os temas das próximas serão divulgados oportunamente em nossos canais de comunicação”, afirma.

Foto: divulgação
Foto: divulgação

Sobre a palestrante

Arlete Mesquita é advogada, OAB/GO 13.680, especialista em Direito Previdenciário e assessora jurídica do Sindjor Goiás.

Serviço

Palestra: Revisão de Aposentadoria
Palestrante: Arlete Mesquita
Data: 08/02/2023, quarta-feira
Horário: 19h00
Informações e inscrições: (62) 9976-8289 Local: Auditório do Sindjor Goiás (Av. Anhanguera, 5389, Edifício Anhanguera, 13º andar, sala 1309, Setor Central. Goiânia – GO)

Sindjor convida jornalistas para café da manhã no dia 4

No próximo sábado, 4 de fevereiro de 2023, a partir das 8h30 da manhã, vai ocorrer um café da manhã especial para os/as jornalistas, na Saga Nissan, loja da Avenida 85, Setor Marista, em Goiânia – GO.

O evento é uma oportunidade para os/as jornalistas conhecerem sobre a parceria do Sindjor Goiás com a Saga Nissan, que oferece desconto exclusivo para jornalistas filiados/as em dia, na compra de veículos direto da fábrica. Na ocasião, o/a jornalista também poderá realizar a sua filiação ou colocá-la em dia, pois o Sindjor vai estar presente.

Os/as jornalistas interessados/as em participar do café da manhã para conhecerem a parceria, sem compromisso, precisarão confirmar presença até o dia 03/02 (sexta), diretamente no WhatsApp do Sindjor Goiás (62) 9976-8289.

Clique aqui para confirmar a sua presença agora no WhatsApp do Sindjor Goiás!

Serviço

  • O que? Café da manhã
  • Quando? 4 de fevereiro, sábado, a partir das 8h30
  • Onde? Saga Nissan
  • Qual endereço? Avenida 85, nº 3111, Setor Marista, Goiânia – GO
  • Precisa confirmar presença? Sim, no WhatsApp do Sindjor Goiás (62) 9976-8289.

Sindjor Goiás conseguiu reajuste acima da inflação em 2022

Análise realizada pelo DIEESE em 48 negociações da data-base dezembro, encerradas até 11/01, mostra que 81,2% dos reajustes salariais ficaram acima da inflação medida pelo INPC-IBGE.

Reajustes iguais ao INPC foram observados em 16,7% das negociações, enquanto apenas 2,1% (correspondentes a uma única categoria) ficaram abaixo da inflação.

Em Goiás, o Sindjor Goiás conseguiu negociar reajuste no Piso do Jornalista em 2022 de aproximadamente 9,47%. Ou seja, o valor do piso passou de R$ 2.512,00 para R$ 2.750,00. O sindicato também conseguiu um aumento de 8% no salário de quem recebe acima do Piso.

Acesse o PDF produzido pelo Dieese: https://www.dieese.org.br/boletimnegociacao/2023/boletimnegociacao28.pdf

Piso do/a jornalista 2023

Para efeitos de negociação para o Piso de 2023 dos/as jornalistas que atuam em Goiás, foi elaborado um formulário para preenchimento de todos/as os/as jornalistas, sindicalizados ou não, que trabalham em regime CLT, estatutário ou autônomo. O prazo máximo para envio das respostas é dia 31 de janeiro de 2023.

O preenchimento é facultativo, porém quanto mais jornalistas responderem, melhor o Sindjor Goiás terá um panorama geral para negociar o salário de 2023 e buscar melhorias para os/as demais jornalistas que atuam em outros regimes de trabalho.

Participe! Clique aqui e responda à pesquisa.

Termina dia 31 o prazo para preencher o formulário da Campanha Salarial 2023

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais de Goiás preparou uma pesquisa para ouvir a categoria que atua em Goiás, antes de formular a proposta de acordo/convenção salarial, que será discutida e aprovada em assembleias e, depois, enviada aos patrões para a discussão/negociação. A pesquisa também abrange todos os/as jornalistas, sindicalizados/as ou não, que trabalham em regime CLT ou não. O prazo para envio das respostas termina no dia 31 de janeiro.

A cada ano, infalivelmente, o Sindicato dos Jornalistas de Goiás cumpre a sua tarefa de negociar com as empresas de comunicação salários e condições de trabalho. A data-base dos/das jornalistas goianos/as é 1º de maio, mas o Sindicato já está pensando no futuro, que está próximo.

A pesquisa está sendo divulgada desde o dia 3 de janeiro e pode ser respondida por todos/as os/as jornalistas. Respondê-la é a primeira contribuição que o/a jornalista pode dar para que a campanha salarial seja vitoriosa, com ganhos para os salários, mais direitos e também para que se possa buscar melhores condições de trabalho para jornalistas autônomos.

Clique aqui e responda à pesquisa.

Leia também:

Análise realizada pelo DIEESE em 48 negociações da data-base dezembro, encerradas até 11/01, mostra que 81,2% dos reajustes salariais ficaram acima da inflação medida pelo INPC-IBGE.

Reajustes iguais ao INPC foram observados em 16,7% das negociações, enquanto apenas 2,1% (correspondentes a uma única categoria) ficaram abaixo da inflação.

Acesse o PDF: https://www.dieese.org.br/boletimnegociacao/2023/boletimnegociacao28.pdf

Servidores públicos estaduais e municipais que sejam responsáveis por pessoas com deficiência têm direito à jornada reduzida

O Supremo Tribunal Federal (STF) em decisão recente, decidiu, por unanimidade, pelo direito à redução da jornada de trabalho do servidor público que tenha filho ou dependente com deficiência. De acordo com o STF, a regra que é aplicada a servidores federais deve se estender aos servidores estaduais e municipais.

A decisão foi tomada no julgamento do RE 1237867, com repercussão geral reconhecida (Tema 1.097). Sobre o tema, foi fixada a seguinte tese: “Aos servidores públicos estaduais e municipais é aplicado, para todos os efeitos, o art. 98, § 2° e § 3°, da lei 8.112 /90”.

Com a decisão, fica assegurado aos servidores estaduais e municipais com filho e/ou dependente com deficiência, o direito à redução de 30 a 50% da jornada, por analogia ao previsto no Estatuto do Servidor Público Federal, sendo legítima a aplicação da lei federal aos demais servidores.

Informações: Arlete Mesquita – OAB/GO 13.680 (assessoria jurídica do Sindjor Goiás)

Fotógrafa goiana J.Lee Aguiar realiza exposição documental em homenagem às vítimas da Covid-19

Em sua primeira exposição individual, J.Lee Aguiar traz as fotos do enterro do pai, o jornalista Álvaro Duarte.

Coveiros posam antes do sepultamento. Foto: J.Lee Aguiar

O Brasil foi o país onde mais morreram jornalistas por Covid-19 do mundo, segundo levantamento da FENAJ. E um deles foi o jornalista Álvaro Duarte, um dos fundadores do programa Trilhas do Brasil, além de ter trabalhado em diversas redações em Goiás, Pernambuco e Tocantins. “Atotô: um processo de cura” é um ensaio fotográfico documental realizado durante o enterro do jornalista, pai da fotógrafa.

Nas 24 fotografias Júlia ou J.Lee Aguiar, mostra uma mistura de sentimentos – dor, raiva, saudade, reparação, luto, denúncia. A abertura será no dia 12 de janeiro às 19h no Müquifü Cultural, Centro de Goiânia. Em seguida, haverá uma roda de conversa sobre os desafios dos jornalistas durante a pandemia e a morte de 314 profissionais por Covid-19, muitas subnotificadas ou notificadas como outra doença, bem como sobre o processo de documentar por meio de fotos o enterro do pai como representação do que ocorreu com outras milhares de famílias. A exposição “Atotô: um processo de cura” poderá ser vista de 12 a 15 de janeiro das 10h às 19h.

O jornalista Álvaro de Brito Duarte morreu de Covid-19, em 16 de junho de 2021, em Recife, Pernambuco, sua terra natal. Como tantos outros colegas de profissão, não resistiu à doença esperando que os jornalistas se tornassem prioridade na vacinação. Como os profissionais da saúde, os jornalistas também estavam e continuam na linha de frente para levar informações sobre a doença para a população diariamente. Somente na redação do Jornal do Meio Dia, SBT, em Caruaru, PE, onde Álvaro Duarte era diretor de jornalismo, outros cinco profissionais morreram de Covid no mesmo ano. A vacina não chegou a tempo.

“Todo o processo de hospitalização e enterro foram extremamente difíceis, devido às regras sanitárias do momento. Eu não pude ver meu pai em nenhum momento, nem no hospital, muito menos no caixão”, relata a fotojornalista J. Lee Aguiar. E como ela mesma conta, a fotografia foi a única coisa que restou nos dias de muita dor.

“Atotô” é uma saudação à Omulu, senhor da morte e também da cura no Candomblé, religião da qual é praticante. A série de 24 fotografias representa não somente a dor da perda do pai, mas um retrato honesto de um dos períodos mais traumáticos para um jornalista no Brasil.

Um dos objetivos da exposição “Atotô: um processo de cura” é também fazer com que as pessoas nunca se esqueçam desse período, da dor causada a mais de 700 mil famílias brasileiras. Este assunto será o tema da Roda de Conversa logo após a abertura e conta com a participação de J.Lee Aguiar, da ex-presidenta da Fenaj, hoje Secretária de Relações Internacionais da federação, Maria José Braga e do fotojornalista Marcello Dantas.

A exposição “Atotô: um processo de cura” foi viabilizada por meio do Projeto Claque Retomada Cultural, uma parceria do SESC Goiás com o governo estadual por meio da Secretaria Estadual da Retomada (SER).

Serviço:
Assunto: “Atotô: um processo de Cura”, exposição fotográfica
Abertura: 12 de janeiro às 19h
Roda de Conversa: 20h
Local: Müquifü Cultural, Rua 8, 497 – segundo andar. Setor Central
Exposição: de 12 a 15 de janeiro, das 10h às 19h

Texto: Rosângela Aguiar (assessoria de imprensa)

Contribua com a campanha salarial 2023

O Sindicato vai negociar e você pode participar!

A cada ano, infalivelmente, o Sindicato dos Jornalistas de Goiás cumpre a sua tarefa de negociar com as empresas de comunicação salários e condições de trabalho. A data-base dos/das jornalistas goianos/as é 1º de maio, mas o Sindicato já está pensando no futuro, que está próximo.

Para 2023, queremos ouvir a categoria antes mesmo de formular a proposta de acordo/convenção salarial que será discutida e aprovada em assembleias e, depois, enviada aos patrões para a discussão/negociação.

Para isso, preparamos uma pesquisa que pode ser respondida por todos/as jornalistas, sindicalizados/as ou não, CLT ou não. Respondê-la é a primeira contribuição que você pode dar para que nossa campanha salarial seja vitoriosa, com ganhos para os salários, mais direitos e também para que possamos buscar melhores condições de trabalho para jornalistas autônomos.

O formulário vai estar disponível de 3 a 31 de janeiro de 2023.

Clique aqui e responda à pesquisa.

Nota oficial: em defesa do cumprimento da finalidade pública da ABC

Há algum tempo, a sociedade goiana assiste estupefata ao desvio de finalidade de um bem público: a Agência Brasil de Comunicação (ABC), da qual fazem parte as rádios Brasil Central Am e FM e TV Brasil Central. Esses importantes veículos foram aparelhados pelo governo estadual e, mais grave ainda, tornaram-se espaço de reprodução de discursos da extrema-direita e da disseminação de informações falsas e/ou fraudulentas.

As rádios e a TV Brasil Central, cujas histórias foram construídas ao longo de décadas por profissionais da comunicação (jornalistas e radialistas) e outros servidores públicos comprometidos com a sociedade, foram transformadas em braço midiático de um projeto nacional da extrema-direita. Sob a farsa de jornalismo plural, abriu-se espaço para que representantes da extrema-direita usem um bem público para atacar a democracia e as instituições democráticas.

A ABC também se transformou em instrumento de perseguição política a adversários do governo. Profissionais do jornalismo chegaram a ser designados para fazer reportagens contrárias a um dos prefeitos da Região Metropolitana de Goiânia, num claro desvirtuamento da prática jornalística e de desrespeito aos profissionais. O jornalismo alimenta-se da crítica e da denúncia, mas ambas não podem ser dirigidas somente a adversários políticos. A credibilidade do jornalismo cai por terra se o governismo perpassa a cobertura jornalística do próprio governo estadual e as demais prefeituras do Estado.

Para o Sindicato dos Jornalistas de Goiás e a Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ é inaceitável as práticas de governismo, de ataques à democracia e às instituições democráticas, de disseminação de informações falsas e fraudulentas, como tem ocorrido nos veículos da ABC. Não é jornalismo abrir espaço a extremistas que utilizam a mentira e a desinformação para conquistar as mentes das pessoas. Não é jornalismo agir especificamente contra um adversário. Não é jornalismo alimentar o delírio golpistas dos que não aceitam as regras democráticas e a vontade soberana da população, expressa nas urnas.

Os veículos de comunicação da ABC notabilizaram-se por apresentar, aos goianos e ao mundo, as riquezas, as belezas e a cultura goiana, em toda sua pluralidade e diversidade. E, no jornalismo, foram até mesmo paradigmáticos, em coberturas históricas, como a do acidente radiológico com a cápsula de Césio- 137.

O Sindicato dos Jornalistas de Goiás e a FENAJ solidarizam-se com os/as jornalistas e demais profissionais da ABC, que têm resistido a esses desmandos e continuam trabalhando para atender à finalidade pública das rádios e da TV Brasil Central. As duas entidades colocam-se ao lado e à disposição dos/das profissionais, para o diálogo com o governo do Estado, na busca da retomada do fazer jornalístico, voltado aos interesses da sociedade.

É imperioso que, em seu segundo mandato, que se iniciará em 1º de janeiro, o governador Ronaldo Caiado devolva a ABC ao povo goiano, permitindo que as rádios e a TV Brasil Central retomem seus papéis históricos na produção cultural, de entretenimento e de informação jornalística.

Goiânia, 14 de dezembro de 2022.

Sindicato dos Jornalistas de Goiás – Sinjor/GO

Federação Nacional dos Jornalistas – FENAJ

Tuitaço: participe desta ação no dia 2 de novembro pela vida de jornalistas

Nesta quarta-feira, 2 de novembro, é o Dia Internacional pelo Fim da Impunidade de Crimes contra Jornalistas. Para marcar a data no Brasil, a Federação Nacional dos Jornalistas (FENAJ) está divulgando a campanha da Federação Internacional dos Jornalistas (FIJ) pela adoção de uma convenção da ONU sobre a segurança e independência de jornalistas e outros profissionais da mídia.

Para saber mais sobre o assunto e contribuir na mobilização, você pode acessar: https://fenaj.org.br/impunidade-fij-pede-uma-convencao-para-melhorar-a-seguranca-dos-jornalistas/.

Além desta ação, a FENAJ se soma à organização não-governamental CRIAR Brasil no tuitaço com a hashtag #pelavidadejornalistas. 

A mobilização virtual começará às 10h no Twitter. Segue o banco de tuítes elaborado pelo CRIAR Brasil:
https://docs.google.com/spreadsheets/d/1CUq6Ga-bFCCkUk0P1SiWEDp_sTUstU2pcFtvhcoNjFg/edit?usp=sharing

A ideia é formar uma grande rede, compartilhando conteúdos com a hashtag #pelavidadejornalistas para o barulho ser maior. 

Participe e ajude a defender o exercício livre e seguro do jornalismo no país!

Sindicato cobra da Câmara de Goiânia apuração de agressão a jornalista

O Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de Goiás protocolou o ofício nº 017/2022 na Câmara Municipal de Goiânia, nesta quarta-feira, 26 de outubro. O documento destinado à Comissão de Ética e de Decoro Parlamentar da Câmara Municipal solicita que se proceda a imediata instalação de inquérito para apurar o episódio lamentável ocorrido no dia 5 de outubro contra o trabalho da imprensa, protagonizado pelo vereador Kleybe Morais (MDB).

Reforçamos que a um vereador cabe fiscalizar o Poder Executivo e legislar. E ainda dar explicações sobre eventuais desvios ocorridos em seu gabinete. Caso acredite ser inverídica as informações tem o direito de buscar na Justiça os devidos reparos, mas jamais usar de violência e ameaças para tal.

Relembre o caso

Na sessão legislativa do dia 5 de outubro de 2022 o vereador Kleybe Morais (MDB) de maneira lamentável e inaceitável utilizou-se de palavreado agressivo e inadequado para se referir ao trabalho da imprensa. Além disso, ele dirigiu-se ao espaço reservado à imprensa na Câmara Municipal de Goiânia para agredir o jornalista José Bonfim (Rádio CBN Goiânia).

Com o dedo em riste o vereador desferiu impropérios e ameaças que não coadunam com a democracia e com a boa educação e, em flagrante desvelo ao Código de Ética parlamentar.

Coletiva de Imprensa no SindJor Goiás sobre o enfrentamento à violência contra criança e adolescente

Defensoras e defensores de direitos de crianças e adolescentes de Goiânia, em articulação com o Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Criança e Adolescente, farão uma Coletiva com a imprensa para apresentar solicitação de responsabilização de autoridades que cometeram violações aos direitos de crianças. A Coletiva vai ocorrer nesta quinta-feira, 20 de outubro, das 10h30 às 11h30, no Sindicato dos Jornalistas no Estado de Goiás.

Karina Figueiredo (Brasília), secretária executiva do Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência Sexual contra Criança e Adolescente, estará presente na Coletiva. Além disso, fará também visita oficial a parlamentares e agentes de defesa de direitos atuantes aqui em Goiânia. O objetivo das visitas institucionais é construir uma frente ampla de defesa das Crianças e cobrar da justiça punição dos crimes cometidos por Damares Alves e investigação da possível negligência por parte de Bolsonaro em relação à situação de vulnerabilidade das meninas venezuelanas.

De acordo com a organização do Comitê, outra medida é afirmar total e absoluto repúdio à fala do idoso de 67 anos que diz sentir um clima em relação às meninas de 14 e 15, fala que reforça a erotização precoce de meninas no Brasil. Ainda, promover pronunciamentos que dignifiquem as meninas pobres, venezuelanas ou não, no sentido de enfrentar o discurso que sempre as associa à ideia de mulheres fáceis, como foi o caso das refugiadas da Ucrânia, como foi o “Mãe Falei”.

“No último dia da criança assistimos a um verdadeiro show de horrores com crianças sendo usadas em atividades que fazem apologia às armas de fogo. Exigimos que deixem nossas crianças em paz, que elas não sejam utilizadas em campanhas apelativas e eleitoreiras”.

Demais presenças confirmadas até o momento:

  • Cida Alves, doutora em educação e especialista em atendimento a pessoas em sofrimento mental em decorrência de situações de violências;
  • Claudia Nunes, jornalista, cineasta e integrante da coordenação executiva do Comitê Goiano de Direitos Humanos Dom Tomás Balduino;
  • Aava Santiago, socióloga e vereadora na Câmara Municipal de Goiânia;
  • Deputada Adriana Accorsi;
  • Fabrício Rosa dos policiais antifascistas.

Entidades que assinam:

  • Comitê Nacional de Enfrentamento à Violência contra Criança e Adolescente;
  • Fórum Goiano de Enfrentando da Violência Sexual contra crianças e adolescentes;
  • Comitê Goiano de Direitos Humanos Dom Tomás Balduino;
  • Bloco Não é Não;
  • Movimento de meninos e meninas de rua de Goiás;
  • Sindicato dos Jornalistas Profissionais no Estado de Goiás;
  • Movimento de meninos e meninas de rua de Goiás;
  • Associação Mulheres na Comunicação – AMC;
  • Coletiva Feminista GSEX;
  • Instituto Brasil Central de Cidadania e Direitos Humanos – IBRACE;
  • Policiais Antifascismo;
  • Rede de Atenção e Proteção às Pessoas em situação de violências de Goiânia;
  • Abrepaz – Associação Brasileira Espírita de Direitos Humanos e Cultura de Paz.
Material de divulgação nas redes sociais

Sindicato reage à ameaça de vereador aos jornalistas durante sessão

O vereador Kleybe Morais (MDB) ameaçou jornalista nesta quarta-feira, 5 de outubro, na Câmara Municipal de Goiânia. Ele fez a ameaça durante a sessão e depois dirigiu-se pessoalmente à área reservada para a imprensa.

Confira as ameaças no vídeo abaixo, a partir do minuto 24:35:

O SindJor Goiás repudia qualquer ameaça aos/as jornalistas, especialmente no seu exercício profissional. Confira abaixo a nota de repúdio emitida pela Diretoria do SindJor Goiás:

O Sindicato dos Jornalistas de Goiás repudia as ameaças feitas pelo vereador Kleybe Morais (MDB), de Goiânia, aos jornalistas goianos.

Uma pessoa em posição pública deve saber aceitar críticas e respondê-las de forma democrática ou acionar a justiça, caso se sinta pessoalmente ofendido.

A ameaça é inaceitável e esperamos que o partido dele se posicione publicamente sobre as ameaças feitas. Não nos furtaremos em tomar todas as medidas judiciais necessárias para garantir o livre exercício do jornalismo e a integridade física dos jornalistas.

A Diretoria