Vozes de resistência marcam o lançamento do Livro 60 Anos do Golpe na capital goiana

145 Views

O Sindicato dos Jornalistas de Goiás promoveu um forte e grande ato político, na noite do dia 1º de abril, para o lançamento, em Goiânia, do livro coletivo nacional “60 anos do Golpe – Gerações em Luta”, na sede da Associação dos Docentes da Universidade Federal de Goiás – Adufg. O livro contém uma coletânea de 60 artigos escritos por 60 autores de várias partes do País – em sua quase totalidade sobreviventes dos porões da Ditadura Militar que foi iniciada com um Golpe civil-empresarial-militar, há 60 anos, e que durou mais 21 anos. De Goiás são coautores da obra dois jornalistas – Laurenice Noleto Alves – a Nonô Noleto – e Antônio Pinheiro Salles.

Idealizado e produzido pelo advogado e ex-preso político Francisco Celso (Xico) Calmon, do Espírito Santo, o livro coletivo traz memórias, análises de conjuntura e até poemas, sempre em resposta a uma pergunta-mote do organizador da obra: “Onde você estava em 64 e onde você está hoje?”

Antes dos escritores fazerem suas falas, com o auditório praticamente lotado e os livros com a venda já totalmente esgotada, o local do evento foi tomado pelos sons fortes de tambores do grupo de percussão Coró de Pau e Coró Mulher e com cantorias de um grupo de mulheres do Bloco Não é Não, carregando pequenos xales vermelhos com a inscrição “Golpe nunca mais!” A plateia, composta com representações importantes dos movimentos educacionais, culturais, sociais e políticos de Goiânia também se manifestou se forma empolgante.

As falas no evento, foram ainda precedidas pelo coral “Harmonia e Saúde” formado por servidores da Secretaria de Saúde do Estado. A jornalista e cineasta Cláudia Nunes fez o cerimonial do lançamento e o jornalista Francisco Costa, vice-presidente exercendo interinamente a Presidência do Sindjor Goiás fez a abertura do evento falando da sua importância nesse momento histórico que vivemos.

Nonô Noleto concentrou sua fala mais na explicação do livro como um projeto que se propõe como instrumento para novos debates visando ajudar a promover a organização dos trabalhadores e trabalhadoras no campo da esquerda, para se manter permanente vigilância e total rejeição a qualquer tentativa de Golpe e, também do fortalecimento da democracia no Brasil e no mundo. Nonô declamou ainda uma poesia – “Flores no Quintal” -, escrita pelo seu falecido marido, também jornalista e ex- preso político Wilmar Alves, escrita dentro do presídio do Cepaigo, em 1975. Depois, entregou ao amigo e companheiro de lutas dela e do marido, Pinheiro Salles, um ramalhete de flores vermelhas, colhidas no “Jardim do Wilmar”, em sua própria casa e plantado por amigos, companheiros e companheiras, após o seu falecimento.

Pinheiro Salles viveu nove anos nos cárceres da Ditadura, sofrendo as mais terríveis torturas que um ser humano pode suportar. Em seu artigo no livro, ele escreve e fala ao público presente, com uma força de expressão que emociona: “Com sequelas irreversíveis e as debilidades causadas pelos nove anos de cárcere, além da idade avançada, reconheço que já está curto o meu tempo de vida. Tenho muito mais passado que futuro. Então não vou desperdiçar o que resta da minha existência. E não deixarei de contribuir para a tão necessária transformação política, econômica e social do mundo em que vivemos. Tenho a sólida convicção de um que um novo mundo é possível. Confio na classe trabalhadora. Eu acredito na humanidade”.

Comentar